Oro vegetal

Controversias sobre la certificación de indicación geográfica del oro vegetal de Jalapão: el caso de la comunidad Mumbuca, Mateiros (TO)

Alex Pizzio, José Rogério Lopes

Resumen

Resumen: El artículo describe el contexto de producción de artefactos culturales de oro vegetal (capim dourado) en la región de Jalapão (TO), con énfasis en la trayectoria de la comunidad quilombola extractiva del Mumbuca, situada en el municipio de Mateiros, y su relación con las políticas culturales. Las descripciones de la trayectoria de la asociación local de artesanos y sus convenios evidencian condicionantes institucionales y ambientales que afectaron sus técnicas de producción e impusieron dificultades actuales a los actores. Los procesos descritos conducen a la discusión sobre la certificación de Indicación Geográfica del oro vegetal y sus repercusiones. 

Palabras clave

Comunidad Mumbuca, oro vegetal, certificación de Indicación Geográfica, políticas culturales.

Texto completo:

PDF

Referencias

Abrucio, F. L. (2011). A importância dos arranjos intergovernamentais: potencialidades e dilemas na trajetória brasileira recente. En: Dallabrida, V. R. (Org.). Governança territorial e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Garland, p. 540-547.

Almeida, A. B. (2005). Nas bordas da política étnica: os quilombos e as políticas sociais. Boletim Informativo do Nuer, Florianópolis, v. 2, n. 2.

Alves, H. N. (2012). Direitos territoriais quilombolas para além do art. 68 do ADCT: a contribuição dos tratados internacionais de direitos humanos da ONU. En: Leite, Renata; Dantas, Isolda; Cerqueira, E. (Org.). 3º Prêmio Territórios Quilombolas. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Andacht, F. (2004). A representação do self na obra de Goffman: sociossemiótica da identidade. En: Gastaldo, Edison (Org.). Erving Goffman: desbravador do cotidiano. Porto Alegre: Tomo Editorial.

Andrade, M. P.; Souza Filho, B. (Org.). (2006). Fome de farinha: deslocamento compulsório e insegurança alimentar em Alcântara. São Luís: EDUFMA.

Becker, B. K. (2010). Novas territorialidades na Amazônia: desafio às políticas públicas. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Ciênc. Hum., Belém, v. 5, n. 1, p. 17-23, jan. /abr.

Belas, C. A. (2008). Capim dourado: costuras e trançados do Jalapão. Rio de Janeiro: IPHAN, CNFCP. Disponible en: . Accedido en: 24 sept. 2017.

Brasil. (2013). Secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Secretária de Políticas para Comunidades Tradicionais. Brasília. Disponible en: . Accedido en: 06/07/2016.

Brasil. Decreto n. 6.040, de 7 de febrero de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 8 fev. 2007. p. 316. Disponible en: . Accedido en: 3 abr. 2017.

Bunker, S. (2000). Joint ventures em ambientes frágeis: o caso do alumínio na Amazônia. Novos cadernos do NAEA, v. 3, n. 1, p. 5-45, jun.

Carvalho, J. M. (2006). Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Carvalho, S. S. (2014). A construção social do mercado de artesanato com capim dourado: um estudo sobre a atuação institucional. 116 f. Disertación (Maestría en Desarrollo Regional) – Universidad Federal de Tocantins, Palmas.

Chanquía, D. (1998). Lo enunciable y lo visible. México: Conaculta.

Dallabrida, V. R. (Org.). (2011). Governança territorial e desenvolvimento. Rio de Janeiro: Garamond.

Defensoria Publica Do Estado Do Tocantins – Núcleo da Defensoria Pública Agrária – DPAGRA. (2013a) Relatório Psicossocial das Comunidades Quilombolas Claro, Prata e Ouro Fino. Palmas.

Defensoria Publica Do Estado Do Tocantins – Núcleo da Defensoria Pública Agrária – DPAGRA (2013b.). Relatório de visita à Comunidade Prata de São Félix – Parque do Jalapão. Palmas.

Defensoria Publica Do Estado Do Tocantins – Núcleo da Defensoria Pública Agrária – DPAGRA (2013c) Relatório de visita à Comunidade Poço das Antas. Palmas.

Diniz, M. B. et al. A Amazônia (legal) brasileira: evidências de uma condição de armadilha da pobreza? Disponible en: . Accedido en: 10 out. 2017.

Escada, M. I. S.; Alves, D. S. (2001). Mudanças de uso e cobertura do solo na Amazônia: impactos socioambientais na ocupação de regiões de fronteira agrícola. Relatório Técnico. Brasília: CT Brasil/Inpe, dez.

Fiabani, A. (2012). Mato, palhoça e pilão: o quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes (1532-2004). 2. ed. São Paulo: Expressão Popular.

Fraser, N. (2006). La justicia social em la era de la política de la identidad: redistribuicion, reconocimento y participación. En: FRASER, Nancy. HONNETH, Axel. ¿Redistribuición o reconocimiento? Madrid: Morata.

Fraser, N. (2008). Escalas de justicia. Barcelona: Heder.

Giacomini, R. L. B. (2011). Quilombolas: sujeitos de direitos fundiários e históricos sociais. São Leopoldo: Instituto Humanitas Unisinos – (IHU). Disponible en: . Accedido en: 02/06/2017.

Giddens, A. (1997). A vida em uma sociedade pós-tradicional. En: Beck, Ulrich; Giddens, A.; Lash, S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo: Unesp.

Greissing, A. (2010). A região do Jari, do extrativismo ao agronegócio: as contradições do desenvolvimento econômico na Amazônia Florestal no exemplo do projeto Jari. REU, Sorocaba, v. 36, n. 3, p. 43-75, dez.

Holston, J. (2013). Cidadania insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

ICMBIO. Atlas do corredor ecológico da região Jalapão. 2013. Disponible En: . Accedido en: 15 de jul. de 2018.

Lobo, A. (2012). Do feio ao belo. Aridez, seca, “patrimônio natural” e identidade em Cabo Verde. En: SANSONE, L. (Org.). Memórias da África: patrimônios, museus e políticas das identidades. Salvador: EDUFBA, p. 67-89.

Marinho, T. A. (2014). Conflitos sociais e desenvolvimento local: a produção artesanal de capim dourado. En: Ruscheinsky, A.; Mélo, J. L. B.; López, L. C. (Org.). Atores sociais, conflitos ambientais e políticas públicas. Jundiaí, SP: Paco Editorial, p. 203-222.

Nery, M. S. S. (2014). A decepção de Tinker Bell e a luta das classificações: o artesanato, o Governo Federal e o Sebrae. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, RS, v. 50, n. 3, p. 293-302, set./dez.

Peralta, P. P. (2016). Necessidade de políticas institucionais para a aplicação de Indicações Geográficas como instrumentos de proteção e valorização do Patrimônio Cultural. Anais do VII Seminário Internacional Políticas Culturais, Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa.

Pereira, A. L. (2012). Famílias quilombolas: história, resistência e luta contra a vulnerabilidade social, insegurança alimentar e nutricional na Comunidade Mumbuca – Estado do Tocantins. 309 p. Tese (Doutorado) – Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

Pizzio, A. (2014). Reconhecimento e resiliência no cotidiano de quebradeiras de coco-babaçu. Estudos de Sociologia, Recife, v. 1, p. 1-17.

Pizzio, A.; Santos, L. N. (2013). Princípio de paridade participativa, reconhecimento e desigualdade social em Território Rural no Bico do Papagaio (TO). Novos Cadernos NAEA, v. 16, p. 261-280.

Pizzio, A. (2015). Relatório de pesquisa: Resiliência e desenvolvimento em comunidades tradicionais na Amazônia. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Processo nº 409572/2013-6.

Pizzio, A; Cleto, E.A.T. (2016). Resiliência e reconhecimento em neocomunidades: o caso da comunidade quilombola Morro de São João -TO. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, v. 13, n 3, p. 1- 20, setembro-dezembro.

Schmidt, I. B. (2005). Etnobotânica, ecologia populacional e Syngonanthus nitens: sempre-viva utilizada para artesanato no Jalapão, Tocantins. 91 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Universidade de Brasília, Brasília.

Schmink, Marianne; WOOD, Charles H. (2012). Conflitos sociais e a formação da Amazônia. Belém: Ed. UFPA, 2012.

Silva JR., J. A. Políticas de desenvolvimento territorial no Brasil: o caso do Vale do Ribeira (SP). Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 50, n. 3, p. 513-527, maio/jun. 2016.

Tocantins Online. Carta aberta das comunidades quilombolas agroextrativistas dos territórios tradicionalmente ocupados da região do Jalapão. 11 fev. 2016. Disponible en: . Accedido en: 3 mar. 2016.

Sousa, A. T. (2012). Gênero e empoderamento: um estudo a partir das associações de artesanato no Jalapão. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas.

Sousa, R. R. (2009). Tradição, artesanato de capim dourado e desenvolvimento local no povoado do Mumbuca do Jalapão em Mateiros – TO. 82 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Local) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande.

Spooner, B. (2008). Tecelões e negociantes: a autenticidade de um tapete oriental. En: Appadurai, Arjun (Org.). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: EdUFF, p. 247-298.

Van Velsen, J. (1987). A análise situacional e o método de estudo de caso detalhado. En: Feldman-Bianco, Bela (Org.). Antropologia das sociedades complexas: métodos. São Paulo: Global, 1987. p. 345-372.

Yúdice, G. (2013). A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Tradução Marie-Anne Kremer. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.